31 de mar de 2009

MAR

(Foto tirada por mim na marginal Estoril)


Num passeio à beira mar

O céu azul, a terra brilha

O sol quente, o mar calmo

Olho… tudo se transforma

Ou será que fui eu ??

Olhando o mar… escuto meu coração

Uma mistura de sentimentos

Desperta algo em mim

Será que mudei?

Cheguei ao fim deste capítulo

É altura de reiniciar um novo

Uma nova história de vida

Com novos personagens

Novas esperanças

19 de mar de 2009

Justiça????


Para alguns que me seguem desde o princípio, sabem que eu fui, no meio de tantas outras por este mundo fora, vítima de violência doméstica e mais tarde de ameaças, fui uma “sobrevivente”.

Todos estes acontecimentos levaram a uma participação na PSP. Não pedi nem exigi nada a não ser uma medida de coação, para não se aproximar, o qual me foi negada, apenas ficando o “dito cujo” com termo e residência, o processo é enviado para o DIAP, onde eu e o meu filho de 17 anos, tivemos que prestar declarações, depois de analisado o processo segue para o Ministério Publico.

Sendo eu a lesada é o Ministério Público que neste caso e havendo matéria suficiente, apresenta a acusação em Tribunal. Meu filho que sempre assistiu a tudo e eu somos notificados como testemunhas, confirmando os acontecimentos e actos praticados, foram momentos difíceis e muito angustiantes.

Ontem foi lida a sentença, como testemunha não fui notificada a estar presente, podia ter ido assistir, mas entendi que minha presença iria ser vista como uma “provocação” e trazer reacções das quais não me queria sujeitar.

Dois anos e meio de pena suspensa e o pagamento de 1.500 euros, fui a sentença aplicada ao “dito cujo”, pelos maus-tratos físicos e psicológicos, do qual ainda pode recorrer em trinta dias.

Será que terminou aqui?
Será que se fez justiça?

15 de mar de 2009

Quando


Quando conseguires transformar

Lágrimas… em pérolas

Tristeza… em sorrisos

Duvidas… em certezas

Nuvens… em céu aberto

Tempestades… em calmaria

A ausência… em presença

Quando me ensinares novamente

Que há dia… depois da noite

Sol… depois da chuva

Estrelas… ao anoitecer

Esperança… ao amanhecer

Sonhar… acreditar

Então nesse dia

Em teu jardim… serei flor

Em teu mar… navegar

Em teu porto… abrigar

Em teus braços … ancorar

Em teu corpo… entregar

Nesse dia tu e eu

Seremos “NÒS”

6 de mar de 2009

SERÁ


Será medo de amar
Que não me deixa viver
Entregar-me a emoções
Os sonhos ao prazer

Será medo de amar
Que não me deixa sentir
De novo me entregar
Depois… iludir

Será medo de amar
Que não me deixa ver
Medo de encontrar
Mais tarde… perder

Será medo de amar
Que não me deixa sonhar
De novo me enganar
Lágrimas… chorar

Será medo de amar
Que fecho meu coração
Ao viver, sentir, ver, sonhar
Até quando por medo direi… não